Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Os Comediantes

We mustn’t complain too much of being comedians—it’s an honourable profession. If only we could be good ones the world might gain at least a sense of style. We have failed—that’s all. We are bad comedians, we aren’t bad men.

Os Comediantes

We mustn’t complain too much of being comedians—it’s an honourable profession. If only we could be good ones the world might gain at least a sense of style. We have failed—that’s all. We are bad comedians, we aren’t bad men.

Comentários recentes

  • twitter

    Até fui lá espreitar ao twitter.Não passam de umas...

  • Mr. Brown

    Não é amuo. É mudança de vida. :)

  • Izhar Perlman

    Por favor, ajude-me a trazer esta petição para a a...

  • E esse amuo?

    E esse amuo? Continua?

  • Twitter

    E esse Twitter?A passarinhar?Você ficou mesmo amua...

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

subscrever feeds

-

ver dados

Quotas

Do outro lado está o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, que antes sequer de se sentar à mesa com o ministro da Educação sabe à partida que, se a tutela insistir nas quotas, "é certo e sabido que não haverá acordo". Sem quotas, salvo se houvesse uma mudança radical na organização do nosso sistema de ensino, não existirá avaliação digna desse nome. Sem um mecanismo que force a distinção dos avaliados pelos avaliadores, a tendência será a de avaliar todos por igual e não há sistema mais injusto do que esse. Um ministro da educação que não queira ser mero fantoche de interesses instalados devia saber à partida que teria de fazer braço de ferro com o senhor Nogueira. Aguardemos as cenas dos próximos capítulos, sabendo de antemão que se a maioria dos professores continuar a alinhar do lado da barricada do senhor Nogueira, ficará cada vez mais claro que estes não se opõem necessariamente a um modelo de avaliação, mas à avaliação em si, qualquer que seja o modelo.

Crescimento económico

O memorando de entendimento com a «troika» pode não ser um objecto fechado e sujeito a uma única interpretação, mas é óbvio que indica um caminho para o crescimento económico que passa necessariamente por um redimensionamento do peso e da influência do Estado na economia. Quando Seguro lamenta que o novo Governo não dê indicações claras sobre o caminho para o crescimento económico e a diminuição do desemprego, das duas uma: ou não faz ideia do que é e para que serve o memorando de entendimento, ou não concorda com o caminho adoptado por esse mesmo memorando de entendimento. Infelizmente, em qualquer um dos casos, só devemos lamentar a eleição de Seguro como líder socialista, pois o PS foi o primeiro a assinar o memorando em causa e devia ser o primeiro a estar comprometido com o rumo traçado. E assinou-o, é bom lembrar, porque o caminho que estava a ser anteriormente trilhado levou-nos a um beco sem saída. Dito isto, é positivo que Passos Coelho não passe a vida a lamentar-se com o passado, mas será igualmente positivo que Seguro não faça tábua rasa da história recente do partido de que é líder. E por muito que isso custe a alguns socialistas, o memorando de entendimento com a troika deu-nos um novo rumo e pela força da assinatura está tão comprometido com esse rumo o primeiro-ministro como o líder do maior partido da oposição. Conclusão: fica mal a Seguro andar a questionar qual é o rumo, mas mal por mal, antes ter o líder da oposição à nora do que o país inteiro. Valha-nos isso.

Nunca vista

O Governo fixou hoje o limite da despesa primária do Estado em 36.230 milhões de euros para 2012, o que implica uma diminuição nominal da despesa em cerca de 10 por cento, face o valor do Orçamento do Estado de 2011. Para quem não tem noção, estaremos perante uma coisa nunca vista na história da democracia portuguesa. Em Portugal é costume falar-se do trabalho notável levado a cabo por Ernâni Lopes em meados da década de 80. Mas perante aquilo que Vitor Gaspar tem pela frente, é como se o primeiro tivesse conseguido alcançar o topo do Kilimanjaro e o segundo esteja comprometido com a subida do Evereste.

Pág. 1/10

Comentários recentes

  • twitter

    Até fui lá espreitar ao twitter.Não passam de umas...

  • Mr. Brown

    Não é amuo. É mudança de vida. :)

  • Izhar Perlman

    Por favor, ajude-me a trazer esta petição para a a...

  • E esse amuo?

    E esse amuo? Continua?

  • Twitter

    E esse Twitter?A passarinhar?Você ficou mesmo amua...

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

subscrever feeds

-

ver dados