Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Os Comediantes

We mustn’t complain too much of being comedians—it’s an honourable profession. If only we could be good ones the world might gain at least a sense of style. We have failed—that’s all. We are bad comedians, we aren’t bad men.

Os Comediantes

We mustn’t complain too much of being comedians—it’s an honourable profession. If only we could be good ones the world might gain at least a sense of style. We have failed—that’s all. We are bad comedians, we aren’t bad men.

Comentários recentes

  • twitter

    Até fui lá espreitar ao twitter.Não passam de umas...

  • Mr. Brown

    Não é amuo. É mudança de vida. :)

  • Izhar Perlman

    Por favor, ajude-me a trazer esta petição para a a...

  • E esse amuo?

    E esse amuo? Continua?

  • Twitter

    E esse Twitter?A passarinhar?Você ficou mesmo amua...

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

subscrever feeds

-

ver dados

Dom Sebastião (2)

Afinal, António Costa, tal como Seguro, sempre tem uma "alternativa", solução milagrosa que é sugerida na notícia a que me refiro no post anterior e que se resume à ideia de pôr a UE a nos pagar as contas: «Juncker defendeu que, para além do envelope já definido, tem que pôr em cima da mesa mais 300 mil milhões de euros nos próximos três anos para relançar a economia», diz o nosso querido edil lisboeta. Mas o nosso tenebroso Governo, o mesmo que apoiou Juncker como Costa reconhece, «em vez de aproveitar esta mudança de orientação política, a primeira ideia que tem é mandar para Bruxelas como comissária a personificação da austeridade da 'troika' que é a nossa ministra da Finanças». Portanto, deixem ver se percebo: Juncker, candidato que também contou com o apoio da chanceler Merkel, rosto do Eurogrupo que lidou e definiu toda a estratégia europeia de combate á crise, membro inegável da direita que «falhou no diagnóstico e na resposta», para citar Costa, terá virado o novo messias da esquerda e ninguém me avisou? Maria Luís é má e Juncker é bom, como se não fossem a mesma moeda? É a esta treta argumentativa que se reduz o pensamento socialista por estes dias?

Dom Sebastião (1)

«Direita falhou no diagnóstico e na resposta», diz António Costa, numa crítica fortíssima aos governos de José Sócrates que começaram a aplicar forte e feio a austeridade, isto depois de terem aplicado, com os resultados que se conhecem, forte e feio a expansão keynesiana. Começa a ser recorrente este distanciamento de Costa em relação a Sócrates, há poucos dias fez o mesmo quando recordou que havia um acordo de concertação social para o salário mínimo que deixou de ser cumprido. Pois bem: o acordo foi patrocinado pelo governo socrático e quem deixou de o cumprir, embora dissimulando o incumprimento do mesmo (eram peritos nisso), foi precisamente esse mesmo governo socrático quando em 2011 limitou a subida do SMN para os 485€ (e não para os 500€ com que se havia comprometido). E deixou de o cumprir, por insistência de Teixeira dos Santos para insatisfação da ministra Helena André, porque na altura era já evidente o impacto deste no aumento do desemprego. De resto, Costa insiste em imitar Seguro, na vacuidade: «O que o país exige não é que mudemos o ritmo nem diminuamos a dose, o que o país nos pede é que façamos diferente, com uma alternativa clara a este Governo». Que alternativa é essa? Obras públicas? PPPs? Aumento do emprego público? Aumento do défice? Não se sabe: deve ser por isso que é clara, basta acreditar.

Miss swaps europeia?

A miss swaps era uma menos valia para o governo, agora é uma mais valia de tal forma que não pode deixar o cargo. Enfim, parece-me evidente que, mais Maria Luís, menos Maria Luís, só se fosse tolo é que Passos Coelho deixaria passar a oportunidade de nomear para comissário(a) alguém que faça parte do seu círculo político e/ou que tenha concordado com a sua estratégia no âmbito do relacionamento do país com a União Europeia. Mas é natural a irritação de alguns com a possível escolha: falamos dum cargo de poder relevante, com prestígio, que garante, no mínimo, que Passos e os seus mantêm influência política independentemente do resultado das próximas eleições legislativas.

Pág. 1/5

Comentários recentes

  • twitter

    Até fui lá espreitar ao twitter.Não passam de umas...

  • Mr. Brown

    Não é amuo. É mudança de vida. :)

  • Izhar Perlman

    Por favor, ajude-me a trazer esta petição para a a...

  • E esse amuo?

    E esse amuo? Continua?

  • Twitter

    E esse Twitter?A passarinhar?Você ficou mesmo amua...

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

subscrever feeds

-

ver dados