Propaganda

Claro que o relatório feito por um departamento do FMI tem a sua quota parte de propaganda. Aqueles técnicos não sabem mais sobre o país do que muitos técnicos portugueses, a residir em Portugal, e que já fizeram inúmeras análises à ineficiência do Estado português e ao que poderia ser feito para melhorá-lo. Mas há aqui um paralelo que se pode traçar com o caso do burlão: a simples referência ao FMI dá um estatuto ao relatório que outros, apesar de melhor elaborados e feitos por técnicos portugueses, não teriam.

publicado por Mr. Brown às 19:47 | link do post | comentar