Investigação Zero

Se não fosse a Forbes nunca descobriríamos isto. Nem nos passava pela cabeça que assim fosse. Porque nós, ao contrário dos americanos, estamos longe de estar numa posição privilegiada para saber o que se passa e como se fazem as coisas em Angola. Se a história da origem da riqueza de Isabel dos Santos tem interesse para o público - e inegavelmente tem, é de longe a notícia mais lida no Económico neste momento - porquê que - e a minha memória pode estar a falhar - recordo-me tão mal de longos e apurados trabalhos de investigação feitos pela imprensa portuguesa sobre a matéria? Bem, uma vez no Público falou-se e deu-se enorme destaque à questão dos direitos humanos em Angola e houve, na classe jornalística, quem ficasse muito chateado com isso porque aquilo era contrário ao interesse nacional. Olhando para os interesses de Isabel dos Santos em Portugal, não deve faltar quem ache que o silêncio é a melhor forma da nossa imprensa lidar com o assunto. E, sim, sou dos que acha que independentemente da origem do dinheiro da Isabelinha, se ela quiser vir cá «investir», deve encontrar as portas abertas; mas, não, o jornalista não deve guiar-se por interesses económicos e deve ter como função informar e procurar toda a verdade. Que num caso com manifesto interesse público não o faça - preferindo antes destacar trabalhos feitos noutros países -, é revelador daquilo em que está transformada a nossa imprensa.

publicado por Mr. Brown às 10:07 | link do post | comentar