Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Os Comediantes

We mustn’t complain too much of being comedians—it’s an honourable profession. If only we could be good ones the world might gain at least a sense of style. We have failed—that’s all. We are bad comedians, we aren’t bad men.

Os Comediantes

We mustn’t complain too much of being comedians—it’s an honourable profession. If only we could be good ones the world might gain at least a sense of style. We have failed—that’s all. We are bad comedians, we aren’t bad men.

Mr. Brown

foto do autor

Comentários recentes

  • twitter

    Até fui lá espreitar ao twitter.Não passam de umas...

  • Mr. Brown

    Não é amuo. É mudança de vida. :)

  • Izhar Perlman

    Por favor, ajude-me a trazer esta petição para a a...

  • E esse amuo?

    E esse amuo? Continua?

  • Twitter

    E esse Twitter?A passarinhar?Você ficou mesmo amua...

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
-

ver dados

Para a legislatura o PS pode prometer o mundo, se não estiver a pensar levá-la até ao fim

Sobre o descongelamento das pensões, diz-nos a nova coqueluche da esquerda que «ao longo da legislatura isso irá acontecer com todas». Para acomodar as reivindicações tontas da extrema-esquerda e garantir a aprovação do orçamento para o próximo ano, muita coisa tentará o PS atirar para o «ao longo da legislatura». Mas, agora, só podem subir as pensões mais baixas, deve ser mais ou menos como isto (que já vinha acontecendo e que também constituía um «aumento real»): Pensões mínimas vão voltar a aumentar 1% em Janeiro. Perante o colete de forças em que estamos metidos, a forma como a esquerda vai negociar e tentar vender o seu "governo" vai ser muito divertida (aliás, ainda o governo nem existe e já começa a demarcação: «Governo de esquerda? Para já, chame-lhe governo do PS...»). Há um motivo pelo qual BE e PCP não acreditam no Tratado Orçamental, nem no limite de 3% do défice, é que a maior parte das tontarias que defendem não cabem nesses limites. Para as acomodar, das duas, uma: ou o PS viola aquilo que diz pretender respeitar e tanto mais viola quanto mais pretender diferenciar-se do que o executivo de direita já vinha fazendo, ou bem que não faz muito diferente do que já vinha sendo feito. As coisas são o que são.

A condição de recurso

É uma boa ideia do PS (ou deveria dizer do drº Centeno?) para pôr o Estado a gastar menos. Há muita gente a receber do Estado, directa ou indirectamente, que nunca contribuiu para justificar o que recebe e, mais importante, não necessita de o receber, estando muito longe de estar entre os que mais necessitam de apoio do Estado. Dito isto, O drº Centeno é um tipo que o PS usa para se credibilizar ao mesmo tempo que tenta iludir o eleitorado sobre aquilo que este realmente pensa. Em bom rigor, o principal responsável pela vertente económica do programa do PS, noutras circunstâncias, até poderia estar a colaborar com a coligação. Isto porque boa parte daquilo em que Mário Centeno acredita, na sua área de especialidade, costuma provocar na maior parte dos socialistas que conheço, sobretudo na malta defensora dos direitos adquiridos, palavras de indignação. E a coligação aproveita para acenar, a propósito deste tema (não por acaso aproveitado primeiramente por Catarina Martins), com o «tenham medo, tenham muito medo», mas com isso também limita-se a ser algo (ou ate muito) hipócrita, ainda que exista alguma justiça poética na critica por estar a usar as tonterias em que os socialistas acreditam - e a que recorreram abundamentemente para criticar medidas deste executivo - contra os próprios.

Outra prova de que o dia correu mal a Costa

Sentiu-se na necessidade de largar esta: «Não vim de empresas de objecto social obscuro». Pois não, só tem vida que se conheça na política, com particular destaque para a fase em que foi número dois do animal feroz. Enfim, o que Costa quer dizer, denotando algum desespero, é qualquer coisa como isto: «deixem lá de me chatear com as contas para a segurança social do meu programa de governo, temos de arranjar novo tema». Ou como os socialistas gostam de dizer: entramos na nova e importante fase da discussão de ideias para o país da tecnoforma.

Credibilidade

Centeno apareceu no PS como o rosto da credibilização do partido. Podia ser boa estratégia, mas Centeno também tem a sua própria credibildade enquanto economista a defender. Com o líder do partido a falar de tudo e mais alguma coisa, perdendo-se em considerações tontas sem sentido, e Centeno a ser questionado sobre as mesmas, a estratégia de credbilização do partido por esta via arrisca acabar por produzir resultado contrário.

O político com graça

À falta de amigos no partido, procura-os fora dele? Enfim, não deixa de ser uma identificação curiosa quando nos lembramos da batalha da "velha" contra Sócrates. Quando nos lembramos do que, por exemplo, o camarada Galamba e Porfírio diziam da "velha". E, ainda mais engraçado, do que Sócrates e o PS acusaram Ferreira Leite: a "velha" queria privatizar a segurança social. Qual é que é mesmo o argumento do PS de Costa por estes dias contra a coligação? Isso mesmo, o de que quer privatizar a segurança social. Devemos estranhar, quando Galamba e Porfírio continuam a estar na linha da frente da batalha comunicacional socialista? Enfim, política em constante loop, declarações sem sentido para mero sound bite e pouco mais para mostrar. É a vacuidade total.

Ler os outros (CLXXI)

Mas consideremos agora o caso de pensões de reforma de natureza contributiva e que comprovadamente excedem o valor atuarial das contribuições feitas pelo beneficiário. Não há qualquer razão ética para não cortar estas pensões. Nesta visão ética não há aqui qualquer direito adquirido. Não há argumentos de solidariedade social. Não há argumentos de confisco do que é o fruto do trabalho de cada cidadão. Este caso é especialmente gravoso quando as pensões auferidas não só são actuarialmente injustas como são de montantes muito elevados resultando de idiossincrasias dos nossos sistemas de segurança social em fases anteriores da sua existência ou de benesses auto-outorgadas pelas classes políticas. Quanto maior for a diferença entre o valor atuarial das pensões e das contribuições e em particular quanto maior for a pensão a pagamento menos razão ética existe para não poderem ser cortadas.

Luz constitucional

Se é possível constitucionalmente baixar a TSU só a quem não é funcionário público - e eu espero bem que seja -, isso quer dizer que era possível só subir a TSU aos funcionários públicos (ainda que prometendo compensá-los a partir de 2027 com pensões mais altas ou coisa que o valha)? Aqui estaria uma forma hábil de contornar as decisões do Tribunal Constitucional no curto-prazo. Ainda se os sábios do PS tivessem ajudado o governo a ver a luz. De resto, note-se que ainda recentemente o FMI defendeu, precisamente, um aumento da TSU paga por funcionários públicos.

Privatização da Segurança Social

Toma lá o dinheiro equivalente a quatro pontos percentuais da TSU e mete-os na banca a render se quiseres. Está iniciado o caminho, colocando as coisas nos termos do PS, para a privatização da Segurança Social (os gritos histéricos que teria de ouvir a propósito desta medida se a mesma viesse da coligação). É temporário? Depois de implementada logo se verá, mas o Cavalo de Troia passou o portão: o PS concorda, seja por que motivo for, que se aumente o grau de liberdade do contribuinte no curto-prazo em relação ao que fazer ao fruto do seu trabalho em troca de uma menor pensão paga pelo Estado no futuro. [Nota: um dos motivos por que gostei de ler o cenário macro do PS foi precisamente este: permite gozar com boa parte das tontices que os próprios socialistas, em jeito de «vem ai o papão mau», vão atirando para o ar].

Mr. Brown

foto do autor

Comentários recentes

  • twitter

    Até fui lá espreitar ao twitter.Não passam de umas...

  • Mr. Brown

    Não é amuo. É mudança de vida. :)

  • Izhar Perlman

    Por favor, ajude-me a trazer esta petição para a a...

  • E esse amuo?

    E esse amuo? Continua?

  • Twitter

    E esse Twitter?A passarinhar?Você ficou mesmo amua...

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
-

ver dados