Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Os Comediantes

We mustn’t complain too much of being comedians—it’s an honourable profession. If only we could be good ones the world might gain at least a sense of style. We have failed—that’s all. We are bad comedians, we aren’t bad men.

Os Comediantes

We mustn’t complain too much of being comedians—it’s an honourable profession. If only we could be good ones the world might gain at least a sense of style. We have failed—that’s all. We are bad comedians, we aren’t bad men.

Mr. Brown

foto do autor

Comentários recentes

  • twitter

    Até fui lá espreitar ao twitter.Não passam de umas...

  • Mr. Brown

    Não é amuo. É mudança de vida. :)

  • Izhar Perlman

    Por favor, ajude-me a trazer esta petição para a a...

  • E esse amuo?

    E esse amuo? Continua?

  • Twitter

    E esse Twitter?A passarinhar?Você ficou mesmo amua...

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

subscrever feeds

-

Doença sem cura

Se basta fazer cair este Governo e aplicar uma política milagrosa, não me perguntem qual, para o desemprego começar a baixar; os salários a subir; o défice passar a superavit; a dívida diminuir; o crescimento aparecer em força; quiçá, para voltar a colocar em cima da mesa os projectos do aeroporto e da alta velocidade; ah, o progresso!; estamos à espera do quê? Meu caro Passos Coelho, assim que te derem um pretexto, demite-te, não percas mais tempo, entrega o país a outro pateta. Depois, os comediantes do costume passarão a culpar outro pateta que não tu pela ausência da política milagrosa. A culpa, evidentemente, nunca será dessa tal política que eles vendem, de forma mais ou menos deliberada, ser mera ficção. Mas deixa lá isso Passos, a verdade é que também foste para o poder vendendo ilusões e já diz o povo: «quem com ferros mata, com ferros morre». Ao menos, sairás com a consciência tranquila de quem tentou, ou foi forçado a, resolver os problemas do país e não de quem os agravou deliberadamente, como foi o caso de quem te antecedeu. Por falar em quem deliberadamente agravou os problemas do país: PS ao poder tão cedo quanto possível, para já no orçamento de 2014 retrocederem todas as medidas impopulares a que os socialistas se tem oposto, aumento da carga fiscal incluída - ou será que não será nada disto e um PS no poder manterá praticamente intactas, para não falar em agravamento das mesmas, as medidas levadas a cabo por este Governo? Ah, o que me vou divertir! Garantido é que imune ao que quer que aconteça no futuro, os comediantes continuarão a ter o seu espaço e a mandar bitaites por tudo quanto é órgão de comunicação social. A SIC agora, assisti ontem mesmo no jornal da noite, até já exibe orgulhosamente Baptista da Silva como o burlão por eles desmascarado. Não há remédio.

Ar puro (XIII)

 

 

But Rashomon is that rare film that has transcended its own status as film, influencing not just the moving image but the culture at large. Its very name has entered the common parlance to symbolize general notions about the relativity of truth and the unreliability, the inevitable subjectivity, of memory. In the legal realm, for example, lawyers and judges commonly speak of “the Rashomon effect” when firsthand witnesses confront them with contradictory testimony.

 

Coragem

«Cabe ao Estado garantir a existência de um serviço público de televisão». Uma RTP minimalista, tipo RTP2, e está o problema resolvido. Mas o que importa perguntar é o seguinte: «quem tem a coragem para impor feliz disciplina financeira nas empresas públicas, sorvedouros sem fundo de dinheiros públicos, e promover a privatização de parte da RTP?», tal como perguntava um certo Cavaco Silva no dia 18 de Maio de 2001 em discurso proferido na Universidade Portucalense. Mas esse mesmo Cavaco, nesse mesmo discurso, também explicava que «os decisores políticos são pessoas normais e, como tal, têm receio da reacção da opinião pública, para além de certo nível». Enquanto Presidente, Cavaco tem demonstrado este último ponto através do seu próprio exemplo. Temos o melhor Presidente que podiamos ter dado o leque de escolhas que nos foi apresentado, mas está muito longe de ser o Presidente de que precisávamos. Faltou-lhe e continua a faltar-lhe coragem.

 

Nota: depois basta uns pozinhos de magia jornalística para passarmos do "Cavaco Silva contra privatização total da RTP" do Público para o «Cavaco pronuncia-se contra a privatização da RTP» da própria RTP.

Esperem pela pancada

 

Há cada vez menos nascimentos em Portugal, mas tal não se deve propriamente à austeridade da troika. É que basta olhar para o histórico. No gráfico há dois booms, mas tal como era explicado hoje no noticiário da SIC, o primeiro deve-se aos retornados e o segundo à vaga de emigrantes de leste para a construção civil promovida pelo cavaquismo/guterrismo. Nenhum desses dois momentos ensina-nos o que quer que seja sobre o que é necessário para voltar a aumentar os nascimentos em Portugal: foram períodos circunstanciais, não prolongáveis no tempo. Certo é que não é preciso ser um génio para compreender os problemas que a tendência de queda de há muitos anos levanta ao nível da tão badalada solidariedade intergeracional. Francisco Proença de Carvalho faz aqui um texto bonito em defesa dos «que já não têm força para emigrar», o pior para estes é que muitos dos que têm força para emigrar estão a fazer isso mesmo, a emigrar. E se em nome de princípios que ficam bem no papel, são muitos os que vão continuar a ignorar a realidade, esperem pela pancada.

Repartição de sacrifícios

Se o artigo 29º ou 77º foram declarados inconstitucionais pelo tribunal político que tem a cobertura política do velho marreta, não resta alternativa ao Governo que não demitir-se. Que deixem a outros a tarefa de fazer uma consolidação orçamental que estará cada vez mais forçada a ser feita pela via do aumento de impostos generalizado a toda a população portuguesa. Um aumento ainda maior do que aquele que já está consagrado no actual orçamento. O homem do sistema, funcionário público toda a vida e pensionista acima de Presidente, professor doutor Aníbal Cavaco Silva, a quem dei o meu voto e tornaria a dar, será o vencedor desta batalha, mas a guerra ficará longe de estar terminada. Entretanto, crescimentistas ao poder! E percebe-se, cada vez melhor, o silêncio de Cavaco ao longo do seu primeiro mandato: um misto de defesa dos seus interesses pessoais, era preciso assegurar a reeleição, e concordância com o caminho que o outro seguia.

Depardieu, auf wiedersehen, goodbye

Um velho marreta como presidente do clube dos pensionistas. O Gérard Depardieu que calhou na rifa a este Governo chama-se Cavaco Silva. Com a diferença que o francês mudou de residência e protestou contra o aumento de impostos e o português ocupa a presidência e protesta contra a diminuição das prestações sociais, nomeadamente a relativa às suas parcas reformas. Se a decisão política do TC for substancialmente adversa ao Governo - por substancial entenda-se uma decisão com impacto orçamental significativo -, este nem deve pestanejar: crise política, venha ela. Por fim, permitam-me reafirmar que este tipo de crítica é um hino ao socialismo português: «Todos serão afectados, mas alguns mais do que outros, o que suscita fundadas dúvidas sobre a justiça na repartição dos sacrifícios». Mas porque carga de água é que uns não podem/devem ser mais afectados do que outros? Anos e anos a fio a beneficiar uns em prejuízo de outros e nunca o Tribunal Constitucional foi chamado a pronunciar-se. Que infelicidade terem descoberto este conceito de justiça tão tardiamente e só quando lhes tocou a eles não ficarem por cima.

 

Notas:

1. O Chefe de Estado prescindiu do seu vencimento de 6.523 euros e optou por reformas de 10.042 euros

2. O Presidente da Republica comentou hoje a polémica em torno das reformas do Banco de Portugal. Cavaco admite que a reforma que recebe nem chega para pagar as despesas

Pág. 7/7

Mr. Brown

foto do autor

Comentários recentes

  • twitter

    Até fui lá espreitar ao twitter.Não passam de umas...

  • Mr. Brown

    Não é amuo. É mudança de vida. :)

  • Izhar Perlman

    Por favor, ajude-me a trazer esta petição para a a...

  • E esse amuo?

    E esse amuo? Continua?

  • Twitter

    E esse Twitter?A passarinhar?Você ficou mesmo amua...

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

subscrever feeds

-