Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Os Comediantes

We mustn’t complain too much of being comedians—it’s an honourable profession. If only we could be good ones the world might gain at least a sense of style. We have failed—that’s all. We are bad comedians, we aren’t bad men.

Os Comediantes

We mustn’t complain too much of being comedians—it’s an honourable profession. If only we could be good ones the world might gain at least a sense of style. We have failed—that’s all. We are bad comedians, we aren’t bad men.

Mr. Brown

foto do autor

Comentários recentes

  • twitter

    Até fui lá espreitar ao twitter.Não passam de umas...

  • Mr. Brown

    Não é amuo. É mudança de vida. :)

  • Izhar Perlman

    Por favor, ajude-me a trazer esta petição para a a...

  • E esse amuo?

    E esse amuo? Continua?

  • Twitter

    E esse Twitter?A passarinhar?Você ficou mesmo amua...

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

subscrever feeds

-

Nunca é demais lembrá-lo

O mundo pode continuar a ter muitos defeitos, mas não há na história da humanidade nenhum outro período tão bom como o actual. Em praticamente tudo: ausência de guerras significativas; redução da pobreza e melhoria generalizada das condições de vida; aumento da liberdade; redução das distâncias; e maior compreensão do outro. Não me peçam para argumentar muito mais do que isto que é verão e estou sem tempo. Mas, mesmo ficando pelo caso português de crise aguda generalizada, o que tende a enevoar as perspectivas de cada um sobre o que será o futuro, estou convicto que daqui a trinta anos, ao olharmos para trás, não mais veremos do que uma crise transitória seguida por novo período de progresso. E o mundo, assim espero, será um lugar ainda melhor do que o que hoje conhecemos. E o de hoje, insisto, já é o melhor mundo que a humanidade alguma vez conheceu e concebeu. Este é um post banal, bem sei, mas é da natureza humana recordar com nostalgia o passado e vir com a lengalenga de que no seu tempo é que era. Não, neste tempo é que é. Nunca é demais lembrar isso.

Ordem financeira internacional

Felizmente o Nuno Teles não viu as restantes linhas, aquelas que acrescentam no curriculum de João Moreira Rato o doutoramento na Universidade de Chicago - um chicago boy, meu Deus! - e passagem pelo falido Lehman Brothers. Mas enquanto o mundo não mudar radicalmente - e não me parece que uma revolução institucional esteja a caminho -, lamento desapontar o Nuno Teles, mas nesse tipo de instituições encontram-se alguns dos melhores recursos humanos com que este país pode contar para o tirar do atoleiro onde está metido. Gente com experiência no mundo tal como ele é e não no mundo como alguns gostariam que fosse. Entretanto, o ministro das finanças também mostra saber onde estão algumas das pessoas que contam.

Confiança na justiça

No dia em que todos os arguidos do caso Portucale são absolvidos e em que um ex-investigador da PJ é constituído arguido por suspeita de ter fabricado uma história para prejudicar outra pessoa, lembrei-me de ir dar uma vista de olhos à Gallup World Poll sobre a confiança dos povos no seu sistema judicial. Pois bem, segundo este inquérito, cujos últimos dados dizem respeito a 2011, só 20% dos portugueses diziam confiar no seu sistema judicial, um valor que contrastava com os 76% na Noruega e os 84% na Dinamarca, os dois países com melhor «score» entre os europeus. Na Europa estamos ao nível de uma Lituânia, Bulgária e Ucrânia. Pior do que isso, assim por alto, só consegui descortinar três países em todo o mundo onde a percentagem de inquiridos que dizia confiar no seu sistema judicial era menor do que a nossa: o Afeganistão com 19%, o Peru com 17% e o Haiti com 16%. Vale o que vale.

O mundo está a mudar

Mundo atinge objetivo do milénio. No caso especificio, o relacionado com o acesso a água potável. Mas ainda mais importante, e com muito pouco relevo dada na comunicação social portuguesa, foi o cumprimento de outro objectivo: The report shows that for the first time the proportion of people living in extreme poverty — on less than $1.25 a day — fell in every developing region from 2005 to 2008. And the biggest recession since the Great Depression seems not to have thrown that trend off course, preliminary data from 2010 indicate. The progress is so drastic that the world has met the United Nations’ Millennium Development Goals to cut extreme poverty in half five years before its 2015 deadline. O mundo, de facto, está a mudar e neste caso para bem melhor.

 

[Fonte: Global poverty: a fall to cheer]

Mr. Brown

foto do autor

Comentários recentes

  • twitter

    Até fui lá espreitar ao twitter.Não passam de umas...

  • Mr. Brown

    Não é amuo. É mudança de vida. :)

  • Izhar Perlman

    Por favor, ajude-me a trazer esta petição para a a...

  • E esse amuo?

    E esse amuo? Continua?

  • Twitter

    E esse Twitter?A passarinhar?Você ficou mesmo amua...

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

subscrever feeds

-