Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Os Comediantes

We mustn’t complain too much of being comedians—it’s an honourable profession. If only we could be good ones the world might gain at least a sense of style. We have failed—that’s all. We are bad comedians, we aren’t bad men.

Os Comediantes

We mustn’t complain too much of being comedians—it’s an honourable profession. If only we could be good ones the world might gain at least a sense of style. We have failed—that’s all. We are bad comedians, we aren’t bad men.

Mr. Brown

foto do autor

Comentários recentes

  • twitter

    Até fui lá espreitar ao twitter.Não passam de umas...

  • Mr. Brown

    Não é amuo. É mudança de vida. :)

  • Izhar Perlman

    Por favor, ajude-me a trazer esta petição para a a...

  • E esse amuo?

    E esse amuo? Continua?

  • Twitter

    E esse Twitter?A passarinhar?Você ficou mesmo amua...

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
-

Consumidores vs taxistas

No dia em que os taxistas comportaram-se como gorilas - alguém poderá dizer que estou a confundir a árvore com a floresta, mas tal só pensará quem tem pouca experiência a andar de táxi em Lisboa (ou há alguém que o faça e que tenha ideia dos taxistas enquanto exemplos de pessoas com boa educação, calma e cordialidade?) -, a Uber aproveita a publicidade positiva e alcança a liderança na loja da Apple. Será de estranhar tal fenómeno? Até nisto a ANTRAL demonstra o quanto as suas práticas são retrógadas e não tem noção, nem nunca se enquadrará, no mundo das novas tecnologias e do pensamento a ela associado. O progresso e a modernidade até podem ser reprimidos por uns tempos, tentativa de repressão em que sempre podemos contar em apanhar o PCP na linha da frente, mas mais cedo ou mais tarde o futuro acabará por se impor. Na guerra entre as preferências/interesses dos consumidores e as preferências/interesses dos prestadores de serviços, o Estado deve sempre defender os primeiros. Não interessa nada que os taxistas estejam insatisfeitos com a Uber; interessa, isso sim, é perceber se o consumidor fica a perder com a nova situação. Alguém será capaz de argumentar que fica? É perguntar a opinião a quem usa ambos os serviços.

«Ai aguenta, aguenta!»

Há muito percebemos que é uma chatice ter outros que não os suspeitos do costume a adquirir activos em Portugal: Ulrich sente-se "chocado" com investimento chinês em Portugal. E é inveja também: por o BPI não ter uns chineses que o queiram comprar, encontrando-se no limbo entre angolanos e espanhóis. De resto, olhando para a avalição que, supostamente, os chineses fazem do Novo Banco, muito acima daquela que o BPI fez, percebe-se isso mesmo. Não só o banco liderado por Ulrich perdeu uma oportunidade que noutros tempos, com jogada de bastidores, provavelmente ser-lhe-ia entregue de bandeja (os centros de decisão nacional, meu Deus), como é provável que vá existir um novo player no mercado e que esse player venha para jogar forte. Maldita concorrência. O drº Ulrich e parte das elites nacionais não gostam? Mas vão ter que aguentar.

Lágrimas de crocodilo

Noutros tempos, teria ficado indignado com isto, agora prefiro centrar a minha atenção no choro da malta da TVI e nas considerações que tecem sobre o mercado; a sua regulação; e aquilo para que devia servir a RTP. Como os compreendo, o mercado é para estar reguladinho, que é como quem diz, sem mais concorrência: Patrões da SIC e da TVI unidos contra privatização da RTP.

Juncker, um bom primeiro-ministro

Alguns descobriram hoje que o Luxemburgo, país com o PIB per capita mais elevado da UE, optou há muito, note-se que de forma aparentemente legal - ainda que alguns queiram combater e ilegalizar isto (até com o IRC baixo da Irlanda quiseram acabar, recorde-se)  -, por ser um paraíso fiscal. Diga-se que não consta que quem resida no Luxemburgo tenha sido prejudicado por estes acordos, antes pelo contrário. Os restantes países ficaram a perder? Pois, a concorrência em matéria fiscal é tramada. Não gosto de Juncker, mas neste sentido, ao ter promovido um aumento do bem-estar daqueles para os quais governava, foi um bom primeiro-ministro.

Empresa estratégica vs sector concorrencial

 

Também precisamos de uma golden share do Estado na NOS? As saudades que alguns vão exibindo dos tempos da PT monopolista e de propriedade estatal é engraçada. Falam de uma empresa privada como se o país ainda se confundisse com ela. Felizmente, nisso, Portugal mudou. E assim foi, em parte, porque na OPA do Belmiro à PT nem tudo foi fracasso: no seguimento desta, a autoridade da concorrência conseguiu forçar a separação entre a rede cobre e o cabo, na altura ambas nas mãos da PT. Esse é o tipo de intervenção estatal, de carácter regulador e promotor da concorrência, que estou habitualmente disposto a defender. O que não aceito é que o Estado e o mundo político, em nome de um suposto interesse nacional, tenha particular carinho por determinada empresa a actuar num sector que se quer concorrencial, provocando uma distorção do mercado. E, também por isso, quando os indicios vão no sentido de que a dona da Cabovisão e da ONI quer comprar a Portugal Telecom, constato uma oportunidade para a autoridade da concorrência tornar a introduzir maior concorrência no sector, indo de encontro às queixas do próprio Grupo Altice.

Fosun vs Mello, descubra as diferenças

Ainda que o sindicato bancário nacional gostasse que os endividados Mello ficassem com a ES Saúde, eu também gostaria se, independetemente da sua nacionalidade, os Mello tivessem a capacidade de actuar desta forma: Quando anunciou preliminarmente a oferta, em que o preço a gastar era apenas de 451 milhões de euros, a Fosun garantiu que o dinheiro pago pela seguradora seria todo financiado com fundos próprios, ou seja, sem recurso a financiamento bancário. Mas se assim fosse, os Mello não estariam à rasca com a aprovação da sua OPA por parte da CMVM (que, parece-me, tem tido actuação exemplar neste processo).

A OPA dos Mello

Claro que levanta problemas de concorrência. E esses problemas repercutem-se inclusive na disputa entre os diferentes proponentes à aquisição da ES Saúde: um operador que queira ficar com a ES Saúde sabendo que terá concorrência dos Mello no sector não pode valorizar a empresa no mesmo valor que os Mello o podem, sabendo que ficam líderes dominantes incontestados no sector da saúde privada. E é uma história muito nossa esta: a dos açambarcadores nacionais que querem ficar «donos disto tudo». Os reguladores que actuem, pelo menos desta vez, em conformidade com aquilo que lhes é exigido: a defesa intransigente das condições de concorrência efectiva em Portugal.

Mr. Brown

foto do autor

Comentários recentes

  • twitter

    Até fui lá espreitar ao twitter.Não passam de umas...

  • Mr. Brown

    Não é amuo. É mudança de vida. :)

  • Izhar Perlman

    Por favor, ajude-me a trazer esta petição para a a...

  • E esse amuo?

    E esse amuo? Continua?

  • Twitter

    E esse Twitter?A passarinhar?Você ficou mesmo amua...

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
-