Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Os Comediantes

We mustn’t complain too much of being comedians—it’s an honourable profession. If only we could be good ones the world might gain at least a sense of style. We have failed—that’s all. We are bad comedians, we aren’t bad men.

Os Comediantes

We mustn’t complain too much of being comedians—it’s an honourable profession. If only we could be good ones the world might gain at least a sense of style. We have failed—that’s all. We are bad comedians, we aren’t bad men.

Mr. Brown

foto do autor

Comentários recentes

  • twitter

    Até fui lá espreitar ao twitter.Não passam de umas...

  • Mr. Brown

    Não é amuo. É mudança de vida. :)

  • Izhar Perlman

    Por favor, ajude-me a trazer esta petição para a a...

  • E esse amuo?

    E esse amuo? Continua?

  • Twitter

    E esse Twitter?A passarinhar?Você ficou mesmo amua...

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
-

Da restricção da liberdade em nome de outros valores

O direito ao esquecimento, resultado de uma decisão que me tinha parecido imediatamente absurda, é mais ou menos como a ideia da criminalização dos piropos na sua relação com a liberdade de expressão. Onde está o limite? Ao seu abrigo, o que se pretende e consegue fazer esquecer? Depois dá nisto: Pianist asks The Washington Post to remove a concert review under the E.U.’s ‘right to be forgotten’ ruling

Caridade e Salazar

Sem prejuízo de parte das suas declarações terem sido particularmente infelizes, embora julgue que consiga compreender e até concordar com quase tudo o que pretendeu dizer, Isabel Jonet é só mais uma que caiu na teia do histerismo indignado da esquerda nacional, tão na moda nos dias que correm. Esse histerismo tem, evidentemente, um objectivo: evitar que certas ideias possam ser pronunciadas na praça pública, impedindo, ainda antes de ter começado, todo e qualquer debate sobre a validade das mesmas. A esse propósito, a expressão «mentalidade 'caritativa' e 'salazarenta'», usada para denegrir alguém que tem feito muito pelo combate à miséria, merecia por si só um tratado. Mas permitam-me ser mais comedido e ficar-me por duas observações singelas: 1) a abominação da caridade, a que não será alheio a ligação que se faz da palavra a uma certa ideia religiosa, é uma tolice que merece todo o meu repúdio, tanto mais quando, com o Estado à beira da falência, é sabido que o sonho de eliminar a necessidade da caridade por meio dos impostos pagos por todos nós e pela redistribuição estatal, ainda que fosse mais do que um pensamento utópico, ou seja, possível de concretizar, nem tão cedo se concretizará, reforçando a importância da caridade nos dias que correm; 2) o recurso à conotação com o pensamento de Salazar já merecia a sua Godwin's law, é que não há pachorra para quem usa estes golpes argumentativos. Dito isto, agora vou ver o Sporting que já está a começar, depois disso, quiçá, ouvir um fado e para terminar fazer a oração da praxe antes de deitar. Ao pessoal da caça às bruxas: vão dar banho ao cão. Aos restantes: boa noite, e boa sorte.

O erro da Ensitel e as redes sociais

Ensitel

Basicamente querem que o tribunal me mande apagar os posts que escrevi sobre a Ensitel. Estão ali, linkados na barra da direita do Blog. São 6. Com este 7.

Ensitel (the Streisand Effect)

Isto é muito mais do que um telefone Nokia. Isto diz respeito à Liberdade de Expressão. A comunidade percebeu-o, e ontem à noite, gerou-se o Efeito Ensitel. Em cerca de trinta minutos, aquilo que era um obscuro detalhe de conflito de consumo (já encerrado, recordo), virou pasto de chamas altissimas com evidentes custos de imagem para a Empresa.

Ensitel e o pesadelo das redes sociais

Decidiu retaliar com o pior dos argumentos: exigiu que a cliente apagasse os posts que tinha escrito sobre o assunto, gerando uma onda geral de indignação numa comunidade unida, exactamente, pelos posts, isto é, por um sentimento muito próprio e pessoal de liberdade de expressão.

Mr. Brown

foto do autor

Comentários recentes

  • twitter

    Até fui lá espreitar ao twitter.Não passam de umas...

  • Mr. Brown

    Não é amuo. É mudança de vida. :)

  • Izhar Perlman

    Por favor, ajude-me a trazer esta petição para a a...

  • E esse amuo?

    E esse amuo? Continua?

  • Twitter

    E esse Twitter?A passarinhar?Você ficou mesmo amua...

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
-