Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Os Comediantes

We mustn’t complain too much of being comedians—it’s an honourable profession. If only we could be good ones the world might gain at least a sense of style. We have failed—that’s all. We are bad comedians, we aren’t bad men.

Os Comediantes

We mustn’t complain too much of being comedians—it’s an honourable profession. If only we could be good ones the world might gain at least a sense of style. We have failed—that’s all. We are bad comedians, we aren’t bad men.

Mr. Brown

foto do autor

Comentários recentes

  • twitter

    Até fui lá espreitar ao twitter.Não passam de umas...

  • Mr. Brown

    Não é amuo. É mudança de vida. :)

  • Izhar Perlman

    Por favor, ajude-me a trazer esta petição para a a...

  • E esse amuo?

    E esse amuo? Continua?

  • Twitter

    E esse Twitter?A passarinhar?Você ficou mesmo amua...

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

subscrever feeds

-

«um homem que tantos serviços prestou a Portugal»

E seria ainda muito pior se tivesse saído do papel. E não faltou muito para ter saído: «A crise é mais uma razão para o fazermos». Só faltou o dinheiro porque entretanto entramos em alta velocidade rumo à pré-bancarrota. Ou ao «século XXI», como explicava aqui, com simplismo, Leonel Moura no blogue Simplex. A campanha das eleições 2009 e tudo o que se lhe seguiu, o grau de delírio que afectava alguns governantes e a malta que defendia Sócrates com unhas e dentes, deverá constar como um dos pontos mais baixos da nossa vida política nacional pós-1974. Na melhor das hipóteses, foram tempos de loucura a que gostaria de nunca mais regressar. Na pior, foram tempos em que as vigarices falaram mais alto e alguns deixaram-se iludir pelo conto do vigário. Se bem que quando apanho gente a discutir que uma entrevista não é uma entrevista, temo sempre que o regresso a esses tempos possa estar logo ali ao virar da esquina.

Oh!

1. França trava taxa Tobin sobre transacções financeiras. Finalmente, deu-lhes para serem um pouco crescimentistas ou não existisse um estudo solicitado pela própria comissão que dava conta do impacto negativo da taxa ao nível do crescimento económico. Que o governo de David Cameron tenha decidido colocar o Reino Unido à margem desta loucura, aumentando os riscos e potenciais perdas de uma medida do género para os restantes países envolvidos, também estará a contribuir decisivamente para a nova posição francesa.

2. Continuando nos franceses, uma boa pergunta, esta: «Que promessa foi esta de garantir linhas de TGV a todos os eleitos?» E nós bem sabemos como essa promessa alastrou muito além das fronteiras francesas. Ou como alegam os socialistas para defenderem-se das asneiras que cometeram na gestão da nossa dívida pública: nós endividamo-nos porque foi essa a estratégia definida inicialmente pela UE para responder à crise internacional.

Autoridade às finanças

Esta questão do TGV é outra que, tal como no caso da privatização da RTP, também deve responsabilizar o ministro das finanças. Concordo com tudo o que escreve o Ricardo Arroja no post linkado, mas acrescento que não acho aceitável que decisões como a não privatização da RTP ou o avanço do TGV não necessitem de autorização directa do ministro das finanças. Ou ao ministro das finanças é dada autoridade para "mandar" em todos os restantes ministros, ou como guardião do dinheiro dos contribuintes fará tão bom trabalho quanto a personagem que o antecedeu no cargo.

Porto-Vigo

O alcaide de Vigo lamentou hoje a decisão de supressão pela CP do serviço ferroviário que liga aquela cidade galega ao Porto e apelou ao Governo Regional para encetar contactos com Portugal para travar o processo. Tenho um conselho para o alcaide espanhol, a de que vá exercer pressão sobre a Renfe, operadora ferroviária espanhola, para que estabeleça uma ligação semelhante. Contudo, a empresa espanhola mandou avisar que a ligação não é interessante dada a sua fraca procura. Ora bolas! Acho que isto só se resolve com uma ligação por TGV entre as duas cidades.

O que não devia ter sido feito

Perante factos, responde-se com retórica. Logo, o que nós gostaríamos de saber era o que Álvaro Santos Pereira teria feito de diferente para reagir a tais circunstâncias - mas, se possível, sem nos gritar aos ouvidos, escreve Pinto e Castro. A prova de que Pinto e Castro não compreende a relevância dos factos enunciados é que continua a ignorar o que não devia ter sido feito, isto:

 

Estádio do Algarve - Aeroporto de Beja - Túnel do Marão

 

Parafraseando Álvaro Santos Pereira: Só não vê quem não quer mesmo ver. E quando continuamos a ler coisas destas: Sócrates garante que TGV avança mesmo, podemos até pensar estarmos perante uma notícia de dia 1 de Abril, mas não, foi mesmo uma garantia dada ontem pelo ainda primeiro-ministro. O homem da bancarrota considera que ainda não fez todo o seu trabalho e nem a presença da «troika» parece atenuar a sua loucura.

Mr. Brown

foto do autor

Comentários recentes

  • twitter

    Até fui lá espreitar ao twitter.Não passam de umas...

  • Mr. Brown

    Não é amuo. É mudança de vida. :)

  • Izhar Perlman

    Por favor, ajude-me a trazer esta petição para a a...

  • E esse amuo?

    E esse amuo? Continua?

  • Twitter

    E esse Twitter?A passarinhar?Você ficou mesmo amua...

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

subscrever feeds

-